Notícia

  • Compartilhe:
  • Envie para um amigo:

Convide Amigos


Em Busca de Novos Ares


Em busca de novos ares

O Globo, 05/abr

Todos os dias, o gestor da área de suprimentos de uma multinacional, Marcel Dilly, sai de sua casa às 6h20 e leva pouco mais uma hora para chegar ao trabalho. Para retornar no fim do dia, o mesmo tempo. Esta é uma rotina que pode soar comum para vários moradores do Rio, exceto por um detalhe: ele mora em Teresópolis e vai e volta todos os dias para São Gonçalo. Enquanto isso, na vizinha Itaipava, o advogado Luiz Guilherme Barbosa, de segunda a quinta-feira, também vive no eixo Região Serrana-Rio, encarando diariamente três horas de estrada. Aborrecimento com a distância e o trânsito? Que nada! Eles garantem que não saem de onde estão. E não são os únicos.
 
Assim como Dilly e Barbosa, é cada vez maior o número de moradores que migram para cidades a mais de 50 quilômetros de distância do Rio, até então voltadas principalmente para o turismo. Os motivos são vários: melhor qualidade de vida, custo de moradia menor e mais segurança. Nesta expansão estado adentro, os locais onde mais crescem a procura e oferta são: Maricá, cerca de 50 km de distância da capital; Mangaratiba (107 km); Teresópolis ( 97 km); Petrópolis ( 68 km), e Itaipava (94 km).
 
- Quando você começa a subir a Serra, já consegue sentir outro clima. A estrada é linda, as pessoas são prestativas e é tudo muito fácil. Compensa ir e voltar todos os dias porque a atmosfera da cidade é outra. Não saio de onde estou no momento. Hoje vou e volto, mas daqui a alguns anos, penso em só ficar por aqui - afirma Barbosa, que desde que a sua esposa teve asma e o médico sugeriu uma temporada em Itaipava, há cinco anos, trocou a residência em Ipanema pela casa, usada até então apenas para as férias e finais de semana.
 
Já Dilly mudou-se de Curitiba para o Rio há menos de um ano após uma proposta profissional. Poderia morar tanto na capital, quanto em Niterói, mas, apesar dos 72 quilômetros entre sua casa e o trabalho contra os 40 km de distância que gastaria se morasse na Zona Sul, preferiu Teresópolis:
 
- Nunca nem pensei em morar no Rio, até porque tenho um amigo que mora em Teresópolis e me sugeriu vir para cá. Eu gosto deste clima de interior. As pessoas são tranquilas, a violência é baixa. Onde moro há qualidade de vida, sem contar que o custo de vida é bem mais baixo que na capital.
 
Mais barato e tranquilo 
 
Uma situação ainda comum é encontrar pessoas que compram imóveis para usar nos finais de semana e que vão aumentando a permanência na serra, até estarem seguros das vantagens da mudança. Outros são mais decididos e se mudam de uma vez. Um fator que pesa, claro, é o valor dos imóveis. Enquanto o metro quadrado médio de Itaipava varia de R$4 a R$ 5 mil, um apartamento de mesmo padrão em Botafogo, por exemplo, custa entre R$ 10 mil e R$ 13 mil a metragem. José Eduardo Baeta, diretor de incorporação da STR Incorporações Engenharia, afirma que Itaipava sempre foi muito disputada:
 
- São pessoas que geralmente querem sair da rotina de praia e entrar em contato com as montanhas. Como tem uma boa infraestrutura de lazer e excelente gastronomia, é um local muito procurado. Nosso primeiro empreendimento em Itaipava, em 2010, tinha 64 unidades e foi totalmente vendido em apenas três semanas após o lançamento. Por isso, resolvemos investir de novo - diz Baeta.
 
A distância pode até não incomodar, mas o tradicional congestionamento na chegada ao Rio na BR040, Linha Vermelha ou Avenida Brasil em horário de pico não desanimam? Profissionais liberais e os que possuem horários mais flexíveis ou trabalham no modelo "home- office" levam boa vantagem pois conseguem fugir dos horários como maior trânsito. Mas mesmo quem tem um horário mais rígido encara este desafio com disposição. Segundo o diretor nacional de negócios da João Fortes Engenharia, Jorge Rucas, o principal objetivo de quem troca a cidade pelo interior é uma melhor qualidade de vida.
 
- Petrópolis começa a despontar como mais uma área de expansão do Rio. A cidade já cresceu muito em direção à Zona Oeste, mas atualmente há também um grande movimento no sentido da serra, que naturalmente será ampliado com a duplicação do trecho da BR- 040, e o tempo de viagem será reduzido. Hoje o deslocamento leva cerca de uma hora e meia - pondera Rucas, que acrescenta: - Atualmente, o tempo para se locomover entre os bairros da Zona Oeste e o Centro se equipara ou até ultrapassa o que se leva entre Petrópolis e o Centro do Rio. Além disso, somam pontos a segurança, educação, qualidade de vida e o valor do metro quadrado na região.
 
Tal demanda saltou aos olhos do mercado imobiliário e tem gerado investimentos nestas áreas. Agora, além de imóveis de veraneio, para moradores fixos. Bruno Serpa Pinto, vice-presidente de operações da Brasil Brokers no Rio, conta que a empresa percebeu este nicho quando lançou um residencial em Maricá e quase 20% dos compradores eram de residentes do Rio.
 
- Fizemos um lançamento cujo foco era oferecer imóveis de veraneio ou para moradores locais, mas vimos que a procura de quem morava no Rio e queria residir lá era grande. E não é só em Maricá. Tem muitas pessoas indo morar na Região dos Lagos, em Porto Belo e Mangaratiba, assim como Teresópolis.

 


http://www.ademi.org.br/article.php3?id_article=61368

Selecione o imóvel de seu interesse: