Notícia

  • Compartilhe:
  • Envie para um amigo:

Convide Amigos


Petrópolis, RJ, terá 30 lançamentos imobiliários nos próximos três anos


 

Cidade possui características que atraem os compradores.
Imóveis podem passar de R$ 1 milhão e maioria é vendida ainda na planta.

 

Empreendimento Grupo Lagos de Itaipava (Foto: Divulgação/Grupo Lagos de Itaipava)Empreendimento voltado para a classe B, em construção no distrito de Itaipava, que foi totalmente vendido ainda na planta  (Foto: Divulgação/Grupo Lagos de Itaipava)

A crise relatada pelo setor da construção civil em 2013 parece não preocupar as incorporadoras que investem em Petrópolis, Região Serrana do Rio. Nos próximos três anos, a cidade ganhará 30 novos empreendimentos imobiliários. Outros 15 ainda estão em fase de análise na prefeitura. O público-alvo são as classes A e B e a maioria dos compradores já vive na Cidade Imperial. O setor se prepara para os dois grandes eventos que serão realizados no Brasil: a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016. A construção da nova pista de subida da serra, que promete reduzir em 20 minutos o tempo de viagem até o Rio, deverá contribuir ainda mais para a valorização dos imóveis na cidade.

Segundo o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) em parceria com a Caixa Econômica Federal, o custo médio da construção por metro quadrado no Estado do Rio, em setembro deste ano, foi de R$ 961,68, superior à média nacional, que ficou em R$ 845,31. O valor da venda, no entanto, é bem superior.

Petrópolis passou muitos anos sem lançamentos, fazendo com que assim que surgissem novas construções, os preços subissem rapidamente"
José Eduardo Baêta

Em um dos conjuntos residenciais que estão sendo erguidos pela STR Incorporações & Engenharia em Itaipava, distrito de Petrópolis que vive uma explosão imobiliária, o preço do metro quadrado supera os R$ 5 mil. No Residencial Riserva dei Fiori, o metro quadrado das unidades comuns sai por R$ 5,6 mil. O lucro é garantido, já que a venda dos apartamento ainda na planta corresponde a mais de 80% dos negócios fechados. Os apartamentos de outro empreendimento, o All Suítes Residence Service, chegam a custar mais de R$ 1 milhão. Boa parte dos condomínios oferecem estrutura de luxo, incluindo academia, cinema, spa, além salões de jogos e festa.

Para José Eduardo Baêta, diretor da STR, uma das explicações para a grande procura e, consequentemente, a super valorização dos imóveis, está na demanda reprimida. “Petrópolis passou muitos anos sem lançamentos, fazendo com que assim que surgissem novas construções, os preços subissem rapidamente”, explica o diretor. José Eduardo acredita em um futuro ainda mais promissor. “A nova subida da serra, que está sendo construída, diminuirá muito o tempo de deslocamento para o Rio e regiões vizinhas. Isso aumentará a demanda, mantendo, assim, uma curva de valorização dos imóveis”, pontua.

  •  
Residencial Riserva dei Fiori, em Itaipava, RJ (Foto: Divulgação/STR Incorporações & Engenharia)Residencial Riserva dei Fiori, em Itaipava  (Foto: Divulgação/STR Incorporações & Engenharia)

 

 

 

Burocracia não desanima os investidores
Atualmente, 30 empreendimentos imobiliários estão licenciados e sendo construídos na cidade. A metade deles está localizada no 1º distrito, enquanto a outra está concentrada nas regiões do 2º e 3º distritos, que correspondem as regiões de Cascatinha e Itaipava, o que inclui as localidades de Nogueira e Araras. Os números são da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do município, que aponta para outros 15 que estão em fase de análise.

“Alguns entraves burocráticos que provocam lentidão precisam ser repensados, mas é possível perceber um esforço da atual gestão para resolver a questão"
Jeferson Salvaya

O licenciamento é a parte mais complicada para se construir em Petrópolis. A burocracia ainda incomoda os investidores, que também acreditam já ter havido melhoras. “Alguns entraves burocráticos que provocam lentidão precisam ser repensados, mas é possível perceber um esforço da atual gestão para resolver a questão”, revela Jeferson Salvaya, sócio-diretor do Grupo Lagos de Itaipava, que tem 15 empreendimentos prontos e seis em fase de obras na cidade. Por ser uma cidade histórica, além das licenças obtidas com a prefeitura, em alguns casos é necessário consultar autarquias como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), além do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

Apesar disso, na hora de construir, as incorporadoras lembram que Petrópolis está entre as cidades mais desejadas do país. Os próprios petropolitanos estão entre os que mais investem. Nos empreendimentos do Grupo Lagos de Itaipava, eles correspondem a 60% dos compradores. Os interessados precisam ser rápidos, como revela José Eduardo Baêta da STR: “Em 2010, nosso primeiro empreendimento foi 100% vendido em menos de um mês, sendo 80% de investidores locais”. O gerente de incorporação da Performance Empreendimentos Imobiliários, Renato Leite, confirma a grande procura com base nas vendas de um conjunto residencial cuja previsão de entrega é para 2015. “Estamos com 74 unidades e 14 lojas vendidas. No total são 158 unidades, sendo 14 lojas e 144 apartamentos”, salienta Renato.

Os bons ventos, acompanhados da poeira de obras, sopram não apenas para aqueles que compram e vendem, mas também para os que colocam a mão na massa. O presidente do sindicato dos trabalhadores da construção civil em Petrópolis, José Maria Rabelo, diz que o cenário é positivo para a classe. Segundo ele, a cidade possui 2 mil trabalhadores registrados, além dos que atuam de maneira informal. “Temos aproximadamente 500 homens trabalhando nas obras da BR-040 e outros 800 atuando nos novos empreendimentos imobiliários”, contabilizou José Maria.

 


G1 Região Serrana

Selecione o imóvel de seu interesse: